facebook
Ir para o conteúdo

Em resposta a Eliana, Danilo Gentili mostra como a liberdade de expressão no Brasil tem lado

Quando ainda não havia Lava Jato, e o petismo podia depenar as estatais impunemente, o jornalismo vermelho do Brasil adorava focar os esforços no que chamava de “limites do humor”, ou uma forma de censurar piadas que de alguma maneira prejudicavam a “narrativa” da esquerda.
Danilo Gentili, que veio da escola de comediantes mais descompromissada possível, a dos bagunceiros do fundo do ônibus, teve que, com o tempo, aprender a lidar com essa gente. E, em conversa com a apresentadora Eliana, parece ter encontrado a resposta ideal.
Questionado a respeito das críticas “das mulheres do Brasil” recebidas quando repetiu o quadro de anos anteriores e fez piadas com o tema da última redação do ENEM (feminismo), responderia:

“Não foram as mulheres do Brasil que acharam isso. Sempre que acontece, o jornalista que está alinhado com a ideologia defendida pelo ENEM se transveste de opinião pública. Se você for no meu programa, as mulheres estão lá, estavam rindo da piada na hora, não tinha só homem na plateia.”

E aproveitaria para alfinetar a esquerda como um todo, lembrando que há um entendimento muito relativo do que seria liberdade de expressão – ou mesmo “de agressão”.

“O que acontece hoje aqui é que: não é o que você fala, mas de que lado você está. Se você estiver do lado correto, você pode falar o que você quiser, você pode até ir a um restaurante e cuspir duas vezes na cara de uma mulher que nenhuma feminista vai fazer um texto falando que você é machista ou escroto.”

Perguntado se achava que sofria perseguição, negaria, mas confirmaria que ela existe.

“Não acho que eu sofro, porque eu acho que [isso] é muito vitimista. Eu acho que ela existe, sim, não é comigo, é com qualquer pessoa que ousar falar qualquer coisa diferente dessa hegemonia ideológica que nós vivemos.”

Se você acha que é por aí compartilhe.

Publicado por Danilo Gentili em Terça, 10 de maio de 2016

Para conferir o depoimento por completo, basta acionar o player acima.

Curtiu o texto? Contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) do autor e/ou siga-o no Twitter e Facebook.