facebook
Ir para o conteúdo

Gráfico interativo abordando quatro presidentes confirma os crimes fiscais de Dilma

Já havíamos publicado um gráfico que mostrava a evolução das pedaladas fiscais petistas pelo período de 10 anos. O Volt Data Lab, no entanto, preparou um material bem mais completo com o saldo dos repasses do Governo Federal especificamente para a Caixa Econômica desde o último ano do mandato de Itamar Franco. Por ele, fica ainda mais claro os crimes cometidos pela petista.

A Lei de Responsabilidade Fiscal só foi promulgada em 4 de maio de 2000. FHC terminaria aquele mês com um saldo positivo de R$ 113 milhões. Mas nem sempre seria assim. Por quatro vezes, o tucano fecharia o mês no vermelho, mas em valores que jamais ultrapassariam os R$ 250 milhões e logo seriam quitados sem mais dificuldades.

Lula deixaria a conta no prejuízo uma vez a menos, mas em valores um pouco mais salgados, chegando a dever R$ 381 milhões em setembro de 2003. Mas, mais uma vez, nada que o Tesouro não pudesse saldar assim que tomasse ciência do débito.

Até mesmo Itamar Franco, em seu último ano de mandato, fecharia aquele outro R$ 21 milhões negativo.

Dilma, até pelo menos agosto de 2015, por 19 oportunidades, fecharia o mês não só no vermelho, mas ultrapassaria qualquer limite aceitável e atingira os R$ 5,5 bilhões em julho de 2014, mês da Copa. A situação já não vinha boa em 2011, piora em 2012 e desanda de vez a partir de junho de 2013, mês de polêmicos protestos contra o governo. No total, a presidente “pedalaria” R$ 32 bilhões em valores que, em grande parte, seriam convertidos em dívida pública.

Pedaladas na CEF

O desastre contábil só encontrou fim quando passada a eleição de 2014, confirmando que todo esse dinheiro fora queimado para reverter a baixa popularidade da presidente. Tanto que março de 2015 veria o governo Dilma novamente fechar o mês no cheque-especial: naquele dia 15, o governo enfrentou a, até então, maior manifestação política da história do país.

Curtiu o texto? Contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) do autor e/ou siga-o no Twitter e Facebook.