facebook
Ir para o conteúdo

Mais da metade dos pedidos de impeachment de Janot partiram de Collor

Desde 11 de maio de 2015, quando já conduzia a operação Lava Jato mirando os investigados com foro privilegiado, Rodrigo Janot foi alvo de 11 pedidos de impeachment. Seis deles foram feitos por Fernando Collor de Mello. Além do senador, outro político também se daria ao trabalho: Paulinho da Força, deputado federal pelo Solidariedade. Mas a solicitação seria arquivada por Renan Calheiros, assim como metade das do ex-presidente.

Os outros quatro pedidos continuam aguardando uma análise por parte do presidente do Senado, totalizando sete “balas” para o peemedebista disparar contra o procurador que recentemente quis prendê-lo – sem sucesso.

As chances de algum pedido desses prosperar ao ponto de afastar Janot da Procuradoria-geral da República são baixas. Em verdade, dependem mais de erros de conduta do “chefe” do Ministério Público do que, em si, de bons argumentos para derrubá-lo. E isso pouco tem a ver com a leitura que Renan fará ou não dos documentos. O que não o impede de usá-los como arma contras as investigações que o alcançam – ou mesmo como escudo.

Curtiu o texto? Contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) do autor e/ou siga-o no Twitter e Facebook.