facebook
Ir para o conteúdo

Marina Silva de fato surge na delação da Odebrecht, mas por nada que merecesse investigação

Nas redes sociais, como prova de que a presidenciável estaria, sim, sob investigação da Lava Jato, alguns usuários compartilham notícia da Exame intitulada “Após encontro com Odebrecht, Marina recebeu doação de R$ 1,25 mi“. Com o noticiário em chamas após a delação da Odebrecht, de fato a manchete parece querer jogar Marina Silva no mesmo poço em que estão todos os outros investigados. Mas basta conferir o conteúdo da matéria para confirmar que não há nada de errado na relação da ex-senadora com a empreiteira.

A doação milionária realmente está relatada na delação de Alexandrino Alencar, mas como um exemplo tão correto que nem findaria em inquérito. Após um breve encontro em que foram explicadas as intenções da campanha da candidata, a Odebrecht proveu a verba destacada, e tudo findou devidamente declarado à Justiça.

Marina, é verdade, merece críticas por seu discurso confuso e omissões sazonais, ou mesmo por priorizar interesses pessoais durante o impeachment de Dilma Rousseff, mas é preciso separar o joio do trigo. Em 2014, a ambientalista chegou a ser criticada por dificultar o financiamento de investidores clássicos ligados à construção civil. Hoje, após tudo o que a Lava Jato revelou, resta evidente que aquela era a única postura aceitável, e ela foi um raro caso que assim se portou.

Curtiu o texto? Contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) do autor e/ou siga-o no Twitter e Facebook.