facebook
Ir para o conteúdo

Moro tem a mesma idade que Celso de Mello tinha quando nomeado ao STF

Apesar de compartilhar do mesmo sobrenome com “L duplo” do presidente a vencer as eleições de 1989, Celso de Mello seria nomeado ao STF por José Sarney, a quem Fernando Collor de Mello direcionava as maiores críticas da campanha. Na ocasião, o jovem liberal de ideais progressistas tinha os mesmos 43 anos que hoje possui Sérgio Moro, o juiz mais bem quisto pela opinião pública brasileira.

A notícia soa pauta plantada na imprensa para confirmar se a opinião pública a endossa. De acordo com a coluna Radar, da Veja, Michel Temer cogita nomear Moro para a cadeira de Mello. Para isso, claro, o decano do STF precisaria adiantar a aposentadoria em quatro anos, ou o peemedebista só faria a graça após se reeleger em uma campanha que não deve nem conseguir concorrer pois anda com a ficha suja.

Ainda de acordo com a nota de Vera Magalhães, esse seria um dos sonho do juiz curitibano. De quebra, o movimento transmitiria à opinião pública a sensação de que Temer apoia a Lava Jato ao ponto de promover à mais alta corte o magistrado que a arbitra.

Caso de fato suceda Celso de Mello, Moro o substituiria na segunda turma do STF, passando a trabalhar com Gilmar Mendes, Teori Zavascki, Dias Toffoli e Cármen Lúcia – ao menos até setembro, quando esta última assumirá a presidência da casa.

A segunda turma é a mesma na mira da estratégia de Eduardo Cunha após uma prometida renúncia. A vantagem notada pelo peemedebista observa a condução pouco petista de Mendes, além da distância das transmissões da TV Justiça.

Tudo maravilhoso? Nem tanto. Restará a insegurança a respeito da continuidade dos trabalhos da Lava Jato na primeira instância. Ou mesmo da real força de Moro na capital, que passaria a compartilhar várias de suas decisões com um plenário majoritariamente indicado por governos petistas.

Fato é que Brasília não estaria ventilando a ideia se não enxergasse vantagens nela. O que costuma ser um péssimo sinal para o Brasil.

Curtiu o texto? Contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) do autor e/ou siga-o no Twitter e Facebook.