facebook
Ir para o conteúdo

Réus milionários vibram: o PT quer de volta a “era do recurso infinito”

Com o PL 4.577, Wadih Damous, o principal aliado de Lula na Câmara dos Deputados, busca ressuscitar a “era dos recursos infinitos“, recentemente derrotada pelo STF, ainda que por intermédio de mais uma decisão polêmica da casa. Quer o petista garantir liberdade por meio de chicanas ao ex-presidente amigo?

Em artigo assinado para o Estado de São Paulo, a própria Lava Jato explica como seria possível. Nele, Diogo Castor e Carlos Fernando dos Santos, respectivamente procurador da República e procurador regional da República, lembram o caso citado no Luis Roberto Barroso, em que 14 interposições de um acusado por homicídio fazem o caso arrastar-se na Justiça há 25 anos.

Foram elas:

  1. Recurso em sentido estrito
  2. Apelação
  3. Embargos de declaração
  4. Recurso especial
  5. Novos embargos de declaração
  6. Recurso extraordinário
  7. Agravo regimental
  8. Novos embargos de declaração
  9. Embargos de declaração em face dos novos embargos de declaração
  10. Embargos de divergência
  11. Novo agravo regimental
  12. Novos embargos de declaração
  13. Novo agravo regimental
  14. Novos embargos de declaração, ainda pendentes de apreciação pelo plenário do Supremo

Isso, claro, só é possível da parte de réus ricos, com recursos em suficiência para custear caros advogados por décadas. Ou seja: o PT trabalha não só para salvar a pele de Lula, mas para garantir impunidade à mesma elite que jura combater.

Por quê? Porque o PT é a elite manipulando causas de minorias em benefício próprio. Sempre foi. Lula que o diga.

Curtiu o texto? Contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) do autor e/ou siga-o no Twitter e Facebook.