facebook
Ir para o conteúdo

Se Renan cair, assume petista que queria Lula chamando Moro de bandido

Muito se fala nas “narrativas” construídas pelo PT, todas de forma a enaltecer aliados e enfraquecer adversários. Mas há quem acredite que tudo não passa de paranoia dos críticos. No entanto, em grampo que flagrou uma ligação a Roberto Teixeira, o senador Jorge Viana, do PT acreano, sugere ao advogado que assessorava Lula que todo um teatro fosse trabalhado para se derrotar Sérgio Moro.

A estratégia consistia em provocar o juiz que arbitra a Lava Jato em Curitiba para que o ex-presidente fosse detido por desacato e o partido pudesse gritar ao mundo que o petista se tornara preso político. No áudio, Viana chega a falar em greve de fome, mas o objetivo, nas palavras dele, era tirar a discussão do campo jurídico e trazê-la para o político.

“Eu não sei, mas você fala, diz: ó, foi uma possibilidade, Lula, existe greve de fome quando alguém se rebela e não aceita determinadas coisas, na parte judicial, porque ninguém do Supremo vai dar colhida mais ao Lula, mas tem muitas manifestações favoráveis. Se o Lula colocar como o defensor da família dele, da mulher, dos filhos e desafiar e dizer que eles tão agindo fora da lei, como agiram hoje fora da lei, quem age fora da lei é bandido e dizer: vocês são bandidos, agiram foram da lei. Só vai ter uma saída: ou o cara prende ele ou fica desmoralizado. Não aceito mais. Que o judiciário ponha um juiz isento pra me investigar, ponha um promotor isento pra me investigar.

Lula, que não deve ter curtido a ideia de fazer greve de fome, achou melhor se refugiar no foro privilegiado do ministério de Dilma. E o resto já é história.

Caso Renan Calheiros venha a ser afastado da Presidência do Senado, Jorge Viana assume o cargo. É escandalosamente um perigo para o processo de impeachment.

O grampo completo pode ser conferido no player acima.

Curtiu o texto? Contribua com o crowdfunding (financiamento coletivo) do autor e/ou siga-o no Twitter e Facebook.